sábado, 11 de janeiro de 2014

Antes do 1º de abril

RIO DE JANEIRO - A menos de três meses do dia 1° de abril, vem por aí uma chuva de eventos pelos 50 anos do golpe civil-militar de 1964 --livros, séries de reportagens na imprensa, programas de TV, exposições, debates, palestras, shows. Mas, por mais agitado que seja o trimestre, dificilmente se comparará ao que fervilhava nesse exato período em 1964, em que o intenso zum-zum-zum cultural do Rio disputava com o crescente e sinistro rumor de sabres.
No teatro estavam em cartaz, ao mesmo tempo, Fernanda Montenegro (com "Mary, Mary", de Jean Kerr), Maria Della Costa (com "Gimba", de Guarnieri) e Bibi Ferreira (com "Minha Querida Lady", de Alan Jay Lerner). No cinema, estreavam "Ganga Zumba", de Cacá Diegues, "Os Fuzis", de Ruy Guerra, e --em primeira exibição numa sessão no Vitória, no dia 13 de março, a poucos quilômetros do megacomício daquela noite na Central do Brasil--, "Deus e o Diabo na Terra do Sol", de Glauber Rocha.
Dois discos que ficariam para sempre saíram naqueles dias: "Getz/Gilberto", de Stan Getz e João Gilberto, contendo o "Garota de Ipanema" que tomaria o mundo na voz centimétrica de Astrud, e "Nara", o primeiro LP de Nara Leão, contendo "Diz Que Fui Por Aí", de Zé Kéti, e a profética "Marcha da Quarta-Feira de Cinzas", de Lyra e Vinicius. Anibal Machado e Ary Barroso tinham acabado de morrer; Brigitte Bardot logo iria chegar.
Nas livrarias, os novos romances de Clarice Lispector, "A Paixão Segundo G.H.", Carlos Heitor Cony, "Antes, o Verão", e Campos de Carvalho, "O Púcaro Búlgaro". Nas bancas, o último número da revista "Senhor" (fechara em janeiro) e o primeiro de "Pif-Paf", a revista de Millôr Fernandes (nasceria em março). A praia era no Castelinho, em frente ao botequim Mau Cheiro, e fazia sol todos os dias.

Mas, nos dias 31 de março e 1º de abril, iria chover.

Nenhum comentário: