quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Entrevista


Antonio Delfim Netto

A entrevista da presidente Dilma ao jornal espanhol "El País" deve ser um breviário para mitigar a desconfiança que cerca seu governo por parte de importantes setores industriais e financeiros.
Alguns não creem que ela, sem abandonar o objetivo de desejar uma sociedade mais razoável onde se persegue a igualdade de oportunidades, tenha mudado sua visão do mundo.
"Com os anos -disse a presidente- comprovei o excesso de ingenuidade e romantismo e falta de compreensão da realidade". No fundo sua grande "certeza" sobre a reconstrução do mundo evoluiu para a "dúvida criadora" indispensável para melhorá-lo.
Nos seus discursos na Espanha a presidente defendeu a posição liberal (da esquerda americana) de Paul Krugman e outros keynesianos, que o excesso de "austeridade" acabará levando todos os países a uma espiral descendente e poderá destruir o euro, que classificou como "uma das maiores conquistas da humanidade, mas um projeto ainda inacabado".
A presidente recusou-se, no fundo, a aceitar a ideia dos conservadores (da direita americana e dos alemães), que o problema é o "tamanho do Estado" e, também as velhas posições monetaristas e o novo "monetarismo de mercado", que não acreditam na capacidade do investimento público de estimular o crescimento.
Um magnífico artigo de cinco excelentes economistas (Almunia, M. e outros -"From Great Depression to Great Credit Crisis", "Economic Policy", vol. 25, 2010) usando história e econometria, comprova a existência -em condições fáticas adequadas- do poder do multiplicador keynesiano.
A posição brasileira revela-se, portanto, tecnicamente bem ancorada e mais antenada com a realidade do que a dos "austerianos", que se recusaram a entender que o que pode ser verdadeiro para um país isoladamente -ajustar as suas finanças ("austeridade"), sustentar sua taxa de inflação com política monetária adequada e controlar o seu deficit em conta-corrente (com a desvalorização cambial)- não tem o menor risco de dar certo quando se aplica a um conjunto de países interconectados pelo câmbio fixo.
A solução é que os países credores concordem em ampliar a sua demanda interna, aumentar a sua taxa de inflação e eliminar o seu saldo em conta-corrente. Aqui também as considerações brasileiras foram corretas.
O sucesso do euro (ou melhor, da Comunidade Econômica Europeia) depende de um controle fiscal mais centralizado, de um controle central das instituições financeiras e de uma união bancária, exatamente o que fizemos no Brasil a partir da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Nenhum comentário: