quarta-feira, 11 de julho de 2012

Pragmatismo


Antonio Delfim Netto

Não é razoável assistir, sem preocupação, a economistas bem apetrechados no cientificismo criticarem com enorme fúria verbal a atual política econômica.
Seria ridículo supor que ela não pode ser melhor, mas há sérias dúvidas sobre se ela pode ser "maximizada" sob as restrições impostas: 1º) pelo efetivo conhecimento de que eles mesmos dispõem e 2º) pelo comportamento do Poder Legislativo. Menos razoável ainda é transformá-la num ataque "ad hominem" ao ministro Guido Mantega.
É claro que a situação mundial é muito complicada. Ao gozarmos o benefício de estarmos no mundo, temos também o seu ônus. É impossível isolar o comportamento de nossos consumidores, empresários e banqueiros do que veem acontecer ao seu redor.
Por maior que seja o esforço governamental, seu resultado será sempre condicionado por esse fato. Mas é absurdo sugerir que a ação pragmática de curto prazo é "toda errada porque compromete uma visão de longo prazo".
É mais do que evidente que deveríamos ter feito algumas reformas (tributária, trabalhista, da seguridade social etc.) para melhorar a produtividade global da economia.
"Deveríamos", porém, é bem diferente do "poderíamos", devido às "condicionantes" expostas acima. Basta ver o comportamento recente do Congresso Nacional. Sem nenhuma cerimônia e às escondidas da sociedade inadvertida, ameaça pôr em risco toda a estabilidade fiscal duramente conquistada em 18 anos.
A ação do governo nas últimas semanas mostra que não há razão para desencanto e esmorecimento. Em primeiro lugar, por exemplo, a firme disposição da presidente da Petrobras de "pôr ordem na casa", dando maior transparência aos problemas responsáveis pela dramática perda de seu valor, que desagrada aos acionistas privados e espalha pessimismo, além de aumentar o custo de seu financiamento.
Em segundo lugar, a posição firme da presidenta Dilma Rousseff em relação ao aumento dos servidores públicos. A tragédia europeia já deveria ter acendido a luz vermelha nos sindicatos e no Congresso. A prodigalidade fiscal sempre termina mal. Cabe ao ministro Gilberto Carvalho, companheiro enturmado, convencê-los de que o aparente "bem maior de hoje" é um seguro "mal maior de amanhã".
Se a crise aterrissar aqui, não há poder que os proteja. Devolverão, com juros e correção monetária, o "excesso" do qual se apropriaram até agora.
Em terceiro lugar, o excelente e apropriado Plano Agrícola para a safra 2012/2013, com o reconhecimento da necessidade de ampliar o seguro e expandir dramaticamente os serviços de extensão rural, o que ajudará muito o crescimento em 2013.

Nenhum comentário: