sábado, 9 de junho de 2012

Morre em SP, aos 67, sociólogo Flávio Pierucci


Professor da USP estudou mudanças no cenário religioso do país, com ascensão das denominações neopentecostais



Autor de livros como 'O Desencantamento do Mundo', pesquisador ajudou a criar método do Datafolha nos anos 1980

Jorge Araújo 31.ago.2001/Folhapress
O sociólogo Flávio Pierucci durante entrevista no Cebrap, em SP
O sociólogo Flávio Pierucci durante entrevista no Cebrap, em SP


DE SÃO PAULO
O professor da USP e sociólogo Antônio Flávio Pierucci morreu ontem pela manhã, em São Paulo, aos 67 anos, em decorrência de um infarto fulminante.
O acadêmico tinha diabetes leve e pressão alta, ambas controladas com medicação. Por volta das 10h de ontem, uma equipe do Samu chegou à residência do pesquisador, na Vila Mariana (zona sul), para tentar reanimá-lo, mas não obteve sucesso.
O corpo de Pierucci será enterrado hoje, no Cemitério Municipal de Altinópolis, cidade do Norte paulista (a cerca de 330 km da capital) em que ele nasceu. O professor não deixa filhos.
Três objetos de estudo se destacaram na trajetória do sociólogo: a produção teórica do alemão Max Weber (1864-1920), o perfil do voto conservador em SP e o enfraquecimento do catolicismo, este último coincidindo com a ascensão das denominações neopentecostais.
No âmbito da pesquisa weberiana, publicou em 2003 "O Desencantamento do Mundo - Todos os Passos do Conceito de Max Weber" (editora 34), volume originado de sua tese de livre-docência na USP.
Na obra, Pierucci esmiúça a noção do título, segundo a qual a história do Ocidente testemunhou um lento processo de afastamento da religião de práticas e rituais místicos, mágicos.
No ano seguinte, o sociólogo, que integrou os quadros do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e foi secretário-geral da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), cuidaria da edição de "A Ética Protestante e o 'Espírito' do Capitalismo" (Cia. das Letras), obra-chave de Weber.
Segundo Reginaldo Prandi, professor de sociologia da USP e orientador da tese de doutorado de Pierucci, ele concluíra há pouco a revisão técnica de mais dois títulos weberianos, sobre as religiões da China e da Índia.
IMAGEM EVANGÉLICA
No campo da sociologia da religião, explica Prandi, o sociólogo vinha se dedicando à análise das estratégias dos evangélicos pentecostais para ingressar na mídia e mudar a imagem de suas denominações. Ele também se debruçava sobre as manifestações musicais desses grupos.
Além de "O Desencantamento do Mundo", o acadêmico publicou a coletânea de ensaios "Ciladas da Diferença" (editora 34; 1999) e o livro "A Magia" (Publifolha; 2001).
No começo dos anos 1980, ao lado de Prandi e Antonio Manuel Teixeira Mendes, atual superintendente da Folha, Pierucci desenvolveu uma metodologia para o Datafolha (o então recém-criado instituto de pesquisas do Grupo Folha) que cruzava dados geográficos, de renda e sociais.
"Ele ajudou a entender os mecanismos que regem a decisão do eleitor, em um momento em que ainda havia poucos estudos a esse respeito. Radiografou o malufismo em São Paulo, por exemplo", diz Mendes.
Em mensagem enviada por e-mail, o sociólogo e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso lamentou a morte do colega. "Convivi extensamente com ele no Cebrap. Destacou-se sempre como pesquisador competente e intérprete refinado."

Nenhum comentário: