sábado, 10 de dezembro de 2011

Família recebe cinzas de espanhol morto no Dops

Sabat Nuet foi torturado, mesmo sem indícios de que participou de grupos de esquerda



RUBENS VALENTE
DE BRASÍLIA


Os restos mortais do espanhol Miguel Sabat Nuet, que passaram quase quatro décadas na vala de Perus, em São Paulo, serão entregues para sua família na segunda-feira.
Nuet morreu aos 50 anos, numa cela do Dops (Departamento de Ordem Política e Social), em 1973.
A pedido da família, seus ossos foram cremados ontem, sob acompanhamento do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, e a urna funerária será levada para Caracas, na Venezuela, onde vivem filhos de Nuet.
A cerimônia de entrega das cinzas na faculdade de direito da USP será coordenada pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência.
No convite, a secretária Maria do Rosário chama a morte de assassinato.
O desfecho foi possível a partir de 2008, quando a Folha, localizou familiares de Nuet na Espanha e na Venezuela e encontrou indícios de que ele morreu sob tortura.
Anos antes, a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) e a Polícia Federal não haviam conseguido localizar seus parentes.
Após a reportagem, a Procuradoria da República em São Paulo passou a investigar o caso no inquérito que busca a identificação dos corpos enterrados na ditadura no cemitério Dom Bosco, conhecido como vala de Perus.
A procuradora da República Eugênia Gonzaga pediu a exumação dos ossos e um exame de DNA. A Procuradoria já identificou oito ossadas de desaparecidos políticos e investiga outros onze casos de militantes cujos corpos teriam sido enterrados no local.
Natural da Espanha e morando na Venezuela, Nuet veio ao Brasil em 1973 para vender automóveis. Não há registro de participação sua em grupos de esquerda.
Ele foi preso pelo DOI, órgão da repressão, e levado ao Dops, unidade da Polícia Civil, de onde saiu morto. A causa oficial foi suicídio, mas não foi feita necropsia.
A ex-militante de esquerda Sônia Draibe, na época também presa na Dops, contou à Folha em 2008 que, dias antes da morte de Nuet, ouviu gritos de socorro vindos da cela do espanhol. Na ficha de Nuet no Dops, um policial anotou um "t", usado pela repressão para definir suspeitos de "terrorismo".

Nenhum comentário: