sábado, 17 de dezembro de 2011

Boneco cego

Ruy Castro

RIO DE JANEIRO - O Oscar que Orson Welles ganhou em 1941 pelo roteiro de "Cidadão Kane" vai a leilão semana que vem em Los Angeles. O lance mínimo é de US$ 1 milhão. Para quem é rico e do ramo, deve ser barato. Foi o único Oscar que "Kane" recebeu, dos nove a que foi indicado, e o único que Orson levou por um filme, e olhe que dividido com Herman J. Mankiewicz.
Não é de hoje que o Oscar vai ao cinema e não enxerga nada. Para o boneco, o melhor filme de 1941 foi "Como Era Verde Meu Vale", de
John Ford, e o melhor ator, Gary Cooper, por "Sargento York". Com todo o respeito por Ford e Cooper, inclusive nesses filmes, hoje parece inacreditável que "Kane" e Welles não tenham ficado com os ditos Oscars.
O filme seguinte de Orson, "Soberba", também foi indicado entre os melhores de 1942, mas perdeu para o correto, quadrado e apenas oportuno "Rosa de Esperança", drama de guerra de William Wyler. Derrota discutível, embora, naquele ano, nenhum dos dois se comparasse a "Contrastes Humanos", de Preston Sturges, nem sequer cogitado. E, mais até do que o magnífico George Sanders em "A Malvada", era Orson, no papel de Harry Lime, quem merecia ser o melhor ator coadjuvante de 1950, por "O Terceiro Homem".
O caso mais escandaloso, no entanto, foi o de "A Marca da Maldade", ignorado de alto a baixo em 1958 e pelo qual Welles deveria ter ganhado, no mínimo, os Oscars de melhor filme, diretor e ator -os quais couberam, respectivamente, ao musical "Gigi", ao diretor deste, Vincente Minnelli, e a David Niven por "Vidas Separadas". E por que a estatueta de ator coadjuvante em 1959 coube a Hugh Griffith por "Ben-Hur", e não a Orson no papel do advogado em "Estranha Compulsão", de Richard Fleischer?
Pensando bem, talvez US$ 1 milhão seja muito dinheiro por um boneco cego.

Nenhum comentário: