segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Israel prepara pacote de leis de emergência

Regras aumentam tempo de detenção e serão aplicadas se Palestina for aprovada como Estado membro da ONU

Potências se reuniram ontem em Nova York para tentar encontrar forma de convencer Abbas a voltar atrás


Majdi Mohammed/Associated Press
Manifestante palestino joga pedra emtorre de controle militar israelense, em protesto pelo Estado palestino na ONU

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

Israel prepara um pacote de leis de emergência que podem ser aplicadas para conter manifestações se for aprovado o reconhecimento da Palestina como Estado membro das Nações Unidas.
O pedido será apresentado pelo presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, sexta-feira, na Assembleia Geral da ONU.
O plano de Israel, elaborado pelo ministério da Segurança Pública e divulgado ontem pelo jornal israelense "Haaretz", aumenta de três para nove horas o tempo máximo de detenção de suspeitos e duplica para 48 horas o prazo que a polícia tem para apresentar os detidos ao juiz.
O conselheiro da Associação de Direitos Civis de Israel, Dan Yakir, considerou a medida "um exemplo real do potencial de ferir seriamente os direitos".
Negociadores do Quarteto do Oriente Médio -União Europeia, Estados Unidos, Rússia e ONU- se reuniram ontem em Nova York, em uma última tentativa de convencer Abbas a desistir do plano.

ENCONTRO
Também se reuniram ontem Salam Fayyad, premiê palestino, e Ehud Barak, ministro da Defesa israelense.
Segundo diplomatas que não quiseram se identificar, a conversa foi breve e abordou a disputa na ONU.
Ontem, o embaixador palestino na Alemanha, Salah Abdelshafi, disse que a iniciativa pode ser revertida. "Estaremos dispostos a abrir mão do pedido ao Conselho de Segurança se, em troca, os países europeus nos apoiarem na Assembleia Geral."
O primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu desacreditou a iniciativa. "Estou convencido de que, como resultado da ação dos EUA em estreita colaboração com outros governos, a tentativa fracassará", disse em reunião do conselho de ministros antes de partir para Nova York.
Os EUA já anunciaram o veto na votação do pedido no Conselho de Segurança.
Ontem, o primeiro-ministro do Hamas, que faz oposição a Abbas, Ismail Haniyeh, declarou que só concordará com a iniciativa se não houver concessões territoriais, se Israel não for reconhecido como Estado e se os acordos com o país forem desfeitos.

Nenhum comentário: