sábado, 24 de setembro de 2011

Duas palavrinhas

RUY CASTRO

RIO DE JANEIRO - Outro dia, numa eloquente demonstração da nova pujança nacional, o Brasil sediou um concurso de Miss Universo. Não ria. Como dizia o outro, nunca antes na história desse país etc. E a plateia reagir com indiferença ao fato de a Miss Brasil, mesmo desfilando em casa, ter chegado em terceiro lugar, revela também a nossa súbita maturidade. De novo, não ria. Se não se abala com as grandes questões, por que o Brasil se abalaria com as pequenas?
Em 1954, quando Martha Rocha ficou em segundo no Miss Universo, em Miami, foi um problema. Quatro anos antes, em 1950, o Brasil já fora vice ao perder a Copa para o Uruguai. Era como se estivéssemos condenados ao segundo lugar entre as nações -o que, como se sabe, equivalia ao último lugar.
O pior é que, no caso de Martha Rocha, correu pela imprensa que havíamos sido garfados. O júri alegara que Martha tinha duas polegadas -5 cm- a mais nos quadris do que no busto e dera o título à lambisgoia americana. Enfim, o que para nós era uma qualidade -cadeiras anchas e busto delicado- para eles era um defeito.
E se soubéssemos na época que as duas polegadas foram uma invenção do repórter João Martins, enviado especial de "O Cruzeiro" a Miami, em conluio com os outros enviados brasileiros, logo após o desfile?
Que o júri só elegeu a Miss EUA porque o concurso precisava conquistar o público americano?
A revelação de que as duas polegadas eram uma farsa foi feita pelo próprio João Martins à "Manchete" em 1979 e confirmada pelo ex-diretor de "O Cruzeiro", Accioly Netto, em suas memórias, "O Império de Papel", em 1998. Ou seja, num Brasil jovem e ingênuo, com duas palavrinhas um repórter safo manipulou a psique de milhões.

Nenhum comentário: