sexta-feira, 15 de julho de 2011

Nos EUA, na Europa e até na China: a farra do crédito no centro da crise

ANÁLISE
PATRÍCIA CAMPOS MELLO
DE SÃO PAULO

Nos dois lados do Atlântico, vive-se hoje a ressaca de anos de farra de endividamento. Nos EUA, a crise nasceu do superendividamento dos consumidores durante os anos da bolha imobiliária.
Já a crise europeia teve origem no superendividamento dos países periféricos durante a euforia do início do euro, momento em que nações como a Grécia se aproveitaram dos juros baixos "alemães" para fazer a festa.
Para completar o cenário, vem à tona o excesso de dívidas dos governos locais da China, que podem chegar a 30% do PIB. A agência Moody's advertiu que os bancos chineses estão recheados de dívidas de difícil recebimento, subestimadas nas contas oficiais. Será que estamos de novo diante de uma surpresinha de crédito que pode desencadear mais uma crise?
Nos EUA, juros baixos e incentivos à compra da casa própria estimularam consumidores a assumirem hipotecas que não podiam pagar e bancos a se endividarem.
Agora, os EUA passam por um processo de "desendividamento". Os consumidores estão aos poucos pagando suas dívidas e pararam de contrair novos empréstimos. Isso, acrescido ao fato de o mercado de trabalho estar parado, derruba o consumo. O governo federal vem tentando substituir essa demanda perdida. Desde que o presidente Barack Obama assumiu, o governo gastou US$ 1,2 trilhão em estímulo fiscal e o Fed, em duas rodadas de "afrouxamento quantitativo", injetou US$ 2,3 trilhões.
Agora, está aí a conta. O governo deve estourar o teto de endividamento -de US$ 14,3 trilhões- no início de agosto. Em Washington, uma queda de braço entre republicanos "mais impostos nem pensar" e democratas "não corto gastos sociais" levou a um impasse. Se não chegarem a um acordo, os EUA terão de dar calote parcial.
Na Europa, também houve um descontrole de crédito. Mas há nuances. Na Irlanda, o problema foi uma enorme bolha imobiliária, que quebrou vários bancos na esteira. A Itália tem uma dívida pública alta, de 120% do PIB. mas manteve superávit primário.
Em todos os casos, a China tem salvo a lavoura. Nos EUA, há muitos anos o país é o maior comprador de dívida. Na Europa, tem comprado títulos de países como Portugal e Grécia.
Se a desaceleração da China for desordenada e o endividamento se mostrar uma horrível surpresa, lá se vai o cavalo branco.

Nenhum comentário: