quinta-feira, 16 de junho de 2011

Informantes da CIA que delataram Bin Laden são detidos

Agência de inteligência paquistanesa prende cinco que guiaram americanos a terrorista, morto em maio

Episódio, mais uma vez, retrata dificuldade de relacionamento entre os supostos aliados na luta contra a Al Qaeda

MARK MAZETTI
DO "NEW YORK TIMES"

A principal agência militar de espionagem do Paquistão deteve alguns dos informantes paquistaneses que forneceram informações à CIA para o ataque que resultou na morte de Osama bin Laden, no mês passado.
A detenção de cinco informantes da agência americana, entre os quais um major do Exército paquistanês, representa o mais recente indício de fratura no relacionamento entre EUA e Paquistão.
O governo paquistanês não comentou a informação, apenas negou a prisão do major.
As detenções surgem em um momento no qual o governo de Barack Obama procura apoio do Paquistão para intermediar um acordo que permita encerrar a guerra no vizinho Afeganistão.
Na semana passada, membros do Comitê de Inteligência do Senado pediram a Michael Morell, diretor assistente da CIA, que classificasse o grau de cooperação do Paquistão com os EUA em operações de combate ao terrorismo, em uma escala de 1 a 10. "Três", respondeu Morell.
O destino dos informantes da CIA detidos no Paquistão não está claro, mas representantes norte-americanos afirmaram que Leon Panetta, o diretor da CIA, tratou da questão em uma visita a Islamabad na semana passada.
Alguns observadores em Washington consideram que as detenções demonstram a desconexão entre as prioridades paquistanesas e norte-americanas em um momento no qual os dois países deveriam ser supostamente aliados na luta contra a rede Al Qaeda.

CRISE
A morte de Bin Laden e ataques mais recentes de militantes no Paquistão representaram reveses para as Forças Armadas, uma instituição reverenciada no país.
Alguns funcionários norte-americanos e especialistas externos consideram que os militares paquistaneses estão enfrentando sua pior crise de confiança em décadas.
Representantes do governo norte-americano ressalvaram que os comentários de Morell sobre o Paquistão eram um retrato da situação atual e não representavam a avaliação geral do governo sobre o assunto.
"Temos um relacionamento forte com nossos colegas paquistaneses e trabalhamos as questões à medida que surgem", disse Marie Harf, porta-voz da CIA. "O diretor Panetta realizou reuniões produtivas na semana passada em Islamabad", afirmou.


Tradução de PAULO MIGLIACCI

Nenhum comentário: