sábado, 11 de junho de 2011

EUA gastam US$ 2 milhões por dia com operação anti-Gaddafi

ONU calcula em 15 mil os mortos desde o início dos conflitos

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

A intervenção militar americana na Líbia está custando US$ 2 milhões (R$ 3,18 milhões) por dia aos EUA.
O valor está muito acima do inicialmente estimado pelo Pentágono para a operação militar. A informação foi divulgada pelo jornal londrino "Financial Times".
Robert Gates, secretário de Defesa americano, afirmou no mês passado que o Pentágono esperava gastar em torno de US$ 750 milhões (R$ 1,2 bilhão) no total.
Porém, segundo memorando do órgão datado de meados de maio (que incluía atualizações detalhadas da operação), a intervenção dos EUA na Líbia já custara US$ 664 milhões (ou cerca de R$ 1 bilhão).
O documento, intitulado "Contribuição Americana para a Operação Unificada de Proteção", tem circulado pelo Congresso, mas o departamento não comenta sobre o aumento nos gastos.
Se os custos continuarem crescendo nessa proporção até o fim do período de ação autorizado pela Otan (aliança militar ocidental) -ou seja, até agosto-, o Departamento de Defesa americano terá uma conta extra de US$ 274 milhões a pagar por operações militares.
Ontem, ao menos 20 rebeldes foram mortos pelas forças do governo na cidade de Misrata e 78 ficaram feridos.
Misrata é um dos principais focos da rebelião no país, que já dura quatro meses, na tentativa de depor o ditador Muammar Gaddafi, há mais de 30 anos no poder.
Segundo a ONU, o número de mortos na Líbia já chega a 15 mil, entre rebeldes e soldados do governo.
A Turquia ofereceu garantias para que o ditador aceite renunciar. "Gaddafi não tem outra opção a não ser deixar a Líbia", afirmou ontem o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan. "Nós o ajudaremos a ir aonde ele quiser", disse.

Nenhum comentário: