domingo, 5 de junho de 2011

De CelsoFurtado@org para Palocci@com e as LIÇÕES CHINESAS

ELIO GASPARI

De CelsoFurtado@org para Palocci@com




O senhor inverteu o dilema de Prebisch ao privatizar sua influência, agora não estatize as consequências

SENHOR MINISTRO,
Sua geração leu meu livro "Formação Econômica do Brasil" procurando entender nosso país, pensando em mudá-lo para melhor. Não creio que meus leitores buscassem lições para enriquecer. Seria perda de tempo. Havia neles uma mistura de fé na nossa gente e até de solidariedade pela fantasia desfeita de um economista que foi do Ministério do Planejamento, em 1962, ao desterro voluntário, dois anos depois.
Escrevo-lhe para pedir que tire das costas do governo a carga de problemas que são seus, derivados daquilo que chamei, referindo-me ao Roberto Campos, de "temperamento concupiscente".
A cobiça por bens materiais é coisa natural. Quando ela se mistura com biografias públicas, é comum que surjam conflitos políticos. Vivi 84 anos, fui ministro de dois governos e embaixador na Comunidade Europeia, publiquei cerca de 50 livros, um deles com 34 edições. Nunca me faltou o necessário.
Acusaram-me de muita coisa, jamais de ter comprado um par de meias sem que pudesse tornar pública a origem dos recursos. Morri num apartamento de Copacabana, com padrão suficiente para meus hábitos, bastante inferior ao que o senhor comprou por R$ 6,6 milhões. (Jantei outro dia com os ex-ministros Roberto Campos, Eugênio Gudin e Octavio Gouvêa de Bulhões. O Campos, com sua corrosiva maledicência, disse que as moradias dos comensais, somadas, não cobrem o preço da sua.)
Os discípulos dos meus colegas de jantar seguiram outro caminho. Depois que retornei ao Brasil, vi como fizeram rápidas fortunas, mas vi também como deixaram de fazê-las. O serviço público nada rendeu à minha querida Maria da Conceição Tavares ou ao Carlos Lessa.
Talvez sejamos uma espécie em extinção. Gente que gosta de relembrar e seguir a lição que ouvi do Raúl Prebisch, o grande economista argentino. Depois de presidir o Banco Central do seu país, viu que ficara "sem meio de vida". Convidado para a direção de grandes bancos, recusou: "Como podia colocar os meus conhecimentos a serviço de um se estava ao corrente dos segredos de todos?"
O senhor privatizou sua influência e justificou a própria concupiscência invertendo o dilema de Prebisch. Foi uma escolha pessoal, e Don Raúl admite que está no seu direito fazê-la. Não estatize os reflexos de sua opção patrimonial, transferindo o ônus para um governo eleito por 55 milhões de pessoas.
Do seu patrício,
Celso Furtado

LIÇÕES CHINESAS

Era uma vez um presidente da China, irmão de armas de Mao Tse-tung, que se chamava Liu Shaoqi. Ele escreveu o livro "Como Ser um Bom Comunista". Em 1968, foi deposto, espancado e preso. Aos 70 anos, jogaram-no numa solitária onde viveu nu, sem cortar os cabelos ou a barba. Diabético, não recebia medicação. Morreu no ano seguinte e cremaram-no com nome falso.
Sua mulher passou 12 anos na cadeia. Reabilitada em 1980, morreu em 2006 e foi sepultada no cemitério dos revolucionários.
Ting Liu, filha do casal, conseguiu um MBA em Harvard, trabalhou na administração da fortuna da família Rockefeller, fundou a consultoria Asia Link Group e levou US$ 4,5 bilhões de dólares para seu país. Ganha rios de dinheiro e já doou dois anos de salários para um programa de ajuda a mães pobres da área rural.
O Brasil e a China estão praticamente empatados numa lista que aferiu o nível de corrupção em 180 países. Pindorama tem o 75º lugar e o Império do Meio, o 79º.
Ting nunca teve cargo público.

Folha de São Paulo, 05/06/2011

Nenhum comentário: