domingo, 1 de maio de 2011

Na contramão da Europa, AL obtém notas melhores

DE SÃO PAULO

Na contramão do que ocorre nos países desenvolvidos, a América Latina recebeu em 2010 número recorde de aumento das notas das dívidas dos governos pela Moody's, uma das principais agências de classificação de risco.
Dez países tiveram suas notas elevadas ("upgraded", em inglês) no ano passado, e nenhum sofreu rebaixamento ("downgrade"). Em dois casos-Paraguai e Uruguai-, a nota da dívida soberana foi aumentada em dois graus.
Com isso, a região encerrou 2010 com balanço positivo (entre "upgrades" e "downgrades") de 12.
Esse é o melhor resultado da América Latina, segundo a Moody's, e superou o das outras regiões ainda no ano passado.
O número contrasta, por exemplo, com o da Europa, onde o balanço entre rebaixamentos e aumentos de notas ficou negativo em 15 graus (o único "upgrade" ocorrido em 2010 foi para a Turquia).
Mas, apesar da crise de solvência vivida por alguns países europeus, as notas das nações desenvolvidas permanecem em média mais altas que as dos latino-americanos.
O histórico de instabilidade da região, segundo as principais agências, explica a diferença.
Quanto maior a nota de um país, menor o risco de calote, conforme os parâmetros adotados pelas agências.(EF)
Folha de São Paulo, 01/05/2011

Nenhum comentário: