segunda-feira, 2 de maio de 2011

EUA matam Bin Laden e multidão celebra nas ruas

Anúncio foi feito em cadeia nacional de televisão pelo presidente Obama; terrorista se escondia no Paquistão.

"Justiça foi feita", diz Obama; corpo do autor dos atentados de 11/9 de 2001 está em poder de forças americanas


Jim Young/Reuters
Pessoas festejam em frente à Casa Branca a notícia da morte de Osama bin Laden

ANDREA MURTA
DE WASHINGTON

O presidente Barack Obama anunciou na madrugada de hoje que o terrorista saudita Osama bin Laden, 54, líder da rede Al Qaeda, foi morto por tropas dos EUA ontem no Paquistão.
"Digo às famílias que perderam seus parentes [nos ataques de 11 de Setembro] que a justiça foi feita", disse Obama, em cadeia nacional.
Bin Laden foi morto em uma mansão em Abbottabad, cidade a cerca de 115 km de Islamabad, capital do Paquistão, após um intenso tiroteio com forças dos EUA.
"Os Estados Unidos conduziram uma operação que matou Osama bin Laden, líder da Al Qaeda e um terrorista que foi responsável pelos assassinatos de milhares de homens, mulheres e crianças", disse Obama.
Tão logo a imprensa americana começou a noticiar a morte do terrorista, milhares de pessoas foram festejar em frente à Casa Branca.
O extremista vinha sendo caçado havia dez anos pelos EUA, logo após os ataques de 11 de Setembro de 2001, que deixaram cerca de 3.000 mortos nos EUA.
Obama afirmou que desde agosto do ano passado vinha recebendo dos órgãos de inteligência americanos informações novas sobre o paradeiro do extremista.
Na semana passada, Obama disse ter recebido informações seguras de que Bin Laden e seus familiares estavam escondidos em uma instalação no Paquistão.
Ontem, o presidente dos EUA decidiu autorizar um ataque.
A operação foi conduzida por pequenos grupos de forças especiais americanas, em uma ação que teria sido autorizada pelas autoridades paquistanesas.
O corpo do terrorista teria sido recuperado pelas forças americanas, mas não foi exibido ontem.
Autoridades do Paquistão disseram à agência de notícias Reuters que a operação foi feita em parceria entre a CIA e tropas paquistanesas.
Ao menos dois helicópteros militares foram vistos fazendo voos rasantes próximo ao local do confronto. Um deles, do Paquistão, foi abatido, fazendo uma vítima fatal.
Obama disse que apesar da morte de Bin Laden ser uma grande conquista na luta contra a Al Qaeda, a organização deve continuar a atacar os EUA. "Devemos e ficaremos vigilantes", disse.

CELEBRAÇÃO
Aos gritos de "obrigado, Obama!" e "USA!", uma multidão se aglomerou em frente à Casa Branca. A maioria cantava o hino nacional. Muitos eram estudantes.
"Estou aqui porque sou um americano. É a nossa essência celebrar em um grande momento como este", disse Ben Krimnel, 19, enrolado em uma bandeira americana.
Stuart Rothstein, 50, tinha visão menos eufórica. "Teremos problemas. Haverá retaliação", disse.
Folha de São Paulo, 02/05/2011

Nenhum comentário: