quinta-feira, 14 de abril de 2011

China e Brasil têm posições diferentes na ONU, diz Patriota

Para o chanceler, chineses discordam de aliança com Japão e Índia, com os quais têm desavenças históricas

Manifestação ocorre após Pequim frustrar delegação brasileira e não apoiar entrada no Conselho de Segurança

FABIANO MAISONNAVE
DE PEQUIM

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, admitiu ontem que há diferenças entre Brasil e China em relação à reforma do Conselho de Segurança da ONU.
Segundo ele, essa é a explicação para o fato de o comunicado conjunto por ocasião da visita da presidente Dilma Rousseff ao país não conter um apoio direto da China à pretensão de uma vaga permanente no Conselho, o que frustrou a diplomacia brasileira.
"A China não tem uma posição idêntica à do Brasil sobre a reforma do Conselho de Segurança, ela tem dificuldades com alguns dos candidatos a membros permanentes", afirmou.
Segundo Patriota, o apoio chinês não tem sido mais explícito por causa da estratégia brasileira de se aliar a países que sofrem com a "reserva" de Pequim -casos de Japão e Índia, que também pleiteiam uma vaga.
Além de japoneses e indianos, a campanha internacional do Brasil por uma vaga é feita em coordenação com alemães. Os países formam o chamado G4.
"Desde alguns anos que a China diz que, quando chegar a hora da reforma, de identificar quem poderão ser os novos membros permanentes, o Brasil será um país com óbvias credenciais", disse o chanceler brasileiro.
Patriota fez as declarações um pouco antes de embarcar de Pequim rumo à ilha de Hainan (sul da China), onde a presidente Dilma participará da cúpula dos chamados Brics.
A China vem mantendo a posição oficial de defender uma reforma ampla que não se restrinja ao Conselho de Segurança, do qual é um dos cinco membros permanentes e com direito a veto.

REFORMA ABRANGENTE
Patriota disse que o comunicado conjunto foi uma "boa manifestação" por usar "linguagem afirmativa".
No comunicado, assinado anteontem por Dilma e seu anfitrião, Hu Jintao, os dois governos apoiam uma reforma abrangente da ONU.
Isso inclui o aumento da representação dos países em desenvolvimento no Conselho de Segurança como uma prioridade.
"A China atribui alta importância à influência e ao papel que o Brasil, como maior país em desenvolvimento do hemisfério ocidental, tem desempenhado nos assuntos regionais e internacionais, e compreende e apoia a aspiração brasileira de vir a desempenhar papel mais proeminente nas Nações Unidas", diz o texto.
Segundo diplomatas envolvidos no tema, a grande novidade foi a inclusão do termo "Conselho de Segurança" na declaração.
Publicado na Folha de São Paulo em 14/04/2011

Nenhum comentário: